Publicada em 02/09/2018 às 20h46.
Campanha de Jair Bolsonaro é marcada por intrigas e improviso
Candidato aparece em primeiro lugar nas pesquisas que não incluem o ex-presidente Lula

Por: Igor Gielow, da Folhapress 

O presidenciável Jair Bolsonaro e a esposa, Michelle
O presidenciável Jair Bolsonaro e a esposa, MichelleFoto: Reprodução

"Isso aqui tem tudo para dar errado. Talvez por isso esteja dando certo até aqui". A frase, do candidato ao Senado Major Olímpio (PSL-SP), resume talvez à perfeição a mais inusual campanha política majoritária da história: a de Jair Bolsonaro a presidente.

Totalmente descentralizada, sem tesoureiro ou marqueteiro formais, a estrutura do presidenciável do PSL está coalhada de intrigas, desavenças e instâncias concorrentes de decisão. Uma confusão, como define com termo menos publicável outro membro de destaque da trupe, que pede para não se identificar.

Leia também:
"O chuchu está me atacando o tempo todo", diz Bolsonaro
No rádio, Lula aparece candidato e Bolsonaro vira alvo de Alckmin
Não me vejo nesse papel de 'eu sou o terror', diz general vice de Bolsonaro

Ao fim, quem tem a palavra definitiva da campanha é Bolsonaro, que percorre há mais de dois anos o país e as redes sociais instilando sua mensagem, com sucesso revertido no primeiro lugar das campanhas sem Lula (22% no mais recente Datafolha). "O zero-um é quem decide", diz Olímpio, presidente estadual do PSL paulista, usando a sigla policialesca para o chefe de uma unidade militar. Os zeros seguintes na estrutura são os filhos de Bolsonaro, o deputado federal Eduardo (PSL-SP), o vereador carioca Carlos (PSL) e o deputado estadual Flávio (PSL-RJ). 

Eduardo e Flávio são estrategistas políticos e transmitem as ordens do pai. Não sem ruídos, já que o presidenciável costuma discordar deles. Só silencia quando o outro filho, Carlos, fala grosso. Chefe da estratégia digital vitoriosa até aqui do pai, ele é a mão forte invisível da empreitada ao Planalto. A mulher de Bolsonaro, Michelle, divide com ele o papel de "firewall": controla quem tem acesso ao recesso do lar do presidenciável no Rio de Janeiro.

Ela veta a presença de políticos na casa da família, num condomínio de luxo na Barra (Rio). Na terça passada (28), por exemplo, Bolsonaro preparou-se para a entrevista no Jornal Nacional da Rede Globo na casa de Carlos, que mora no mesmo condomínio.
Ainda assim, para irritação de muitos aliados do polêmico candidato, o acesso a Bolsonaro tem barreiras adicionais.

A primeira, fora do quartel-general familiar, é o núcleo partidário. Gustavo Bebianno, o advogado de Bolsonaro no processo em que ele é réu por ter dito que não estupraria a petista Maria do Rosário, virou presidente interino do PSL por ordem do presidenciável e assumiu o papel de cão de guarda dele. Na tarde da entrevista da Globo, ele vetou a presença de aliados na casa de Carlos. A Folha procurou o candidato, mas não obteve resposta.

"Não é uma campanha comum", admite Letícia Catel, secretária-geral do PSL em São Paulo. Amiga de um curso de pós-graduação de Eduardo e, como ele, praticante de tiro, ela emergiu como eminência parda no entorno do candidato. "Falo diretamente com o Jair, mas é tudo de forma orgânica. Ajudo a coordenar a campanha em São Paulo", afirma. A agenda de Bolsonaro, por sua vez, é tocada pela mulher de Bebianno, Renata – com supervisão de Michelle.

Letícia negociou em nome do candidato participações em debate e protagonizou um bate-boca de rede social com uma jornalista, mas nega ser uma assessora. "Não existe ninguém que possa dizer que assessora o candidato. Nada é oficial, eu não ganho um centavo", afirma.

Olímpio e Luiz Antonio Nabhan Garcia, o presidente da UDR (União Democrática Ruralista) e um dos principais conselheiros de Bolsonaro, a desautorizam. "Ela não fala pelo partido, não é minha escolha no PSL-SP. Se falar, passa por cima de mim", diz o candidato a senador. "Infelizmente, isso acontece em campanhas. Mas ela não é da coordenação", afirma o ruralista.

Ambos, contudo, elogiam Bebianno, que esteve em conflito no mês passado com o QG da família pela questão da participação ou não em debates. Houve uma pressão, coordenada por aliados mais moderados do grupo, para que o general da reserva Augusto Heleno assumisse a coordenação da campanha.

Bolsonaro manteve Bebianno, negou publicamente a crise, e seus filhos ordenaram o fim da querela. As críticas acabaram focadas em Julian Lemos, vice nacional do PSL, que estava "muito aparecido", como diz um integrante do núcleo empresarial da campanha. Com efeito, Lemos se retirou para sua campanha a deputado pelo PSL-PB. Ele e Bebianno não concederam entrevistas.

Essa facção do empresariado acompanha a escalada de Bolsonaro há tempos. Seus dois primeiros apoiadores explícitos foram Fábio Wajngarten e Meyer Nigri, expoentes na comunidade judaica paulistana. O primeiro tem uma empresa de análise de mídia e auxilia nos contatos do presidenciável na área, além de ajudar na sua comunicação.
Wajngarten reconhece dispersão na campanha. "Se você busca um objetivo, o planejamento é imprescindível", afirma. Já Nigri está recluso desde que surgiu como apoiador de Bolsonaro: dono da construtora Tecnisa, ele foi fustigado por pares mais alinhados com o PSDB.

Outros empresários, a partir de um café da manhã de 62 deles com Bolsonaro em 10 de agosto na casa de Wajngarten, saíram do armário. "Nunca saí de um encontro com político sem que me pedissem dinheiro", disse Sebastião Bomfim, dono da rede Centauro. Gente de varejo, como Luciano Hang (lojas Havan) e Mário Gazin, do grupo homônimo, declararam voto a Bolsonaro.

"Não temos dinheiro. Sou tesoureiro estadual do PSL em São Paulo, mas na prática faço de tudo", afirma Victor Metta, um advogado que fazia parte de um grupo de entusiastas de direita com Letícia Catel e outros, que hoje são voluntários da campanha. Metta diz que não tem tem nem o que declarar ao TSE por ora. A candidatura recebeu R$ 9,2 milhões do fundo criado para as eleições, mas ninguém sabe como o dinheiro será repartido de fato.

Essa opacidade ainda pode se voltar contra Bolsonaro, que faz publicidade de sua alegada independência de financiadores tradicionais. O discurso de que "estou fazendo por amor", ou "sou voluntário" permeia quase a totalidade das conversas com apoiadores do deputado. Restará saber se o TSE aceitará passivamente a argumentação.

Na viagem de Bolsonaro pelo oeste paulista, na semana retrasada, Metta diz que "algumas coisas vieram prontas do PSL nacional, outras a gente fez, mas eu tenho de ficar pedindo para pagar tudo o que oferecem para a gente, como carros".

Essa jornada interiorana, aliás, foi fonte de um estresse razoável no PSL devido à presença da jornalista Joice Hasselmann. Candidata a deputada federal, ela se colocou de forma proeminente nos palanques e entrevistas de Bolsonaro, ganhando a alcunha maldosa de "primeira-dama" por parte de aliados.

"O ser humano é assim, tem ciúme. Eu fui convidada para os eventos", afirmou Joice. A gota-d'água ocorreu em Araçatuba, no dia 16, quando ela se apresentou como candidata ao governo do estado, sendo imediatamente desautorizada por Olímpio em redes sociais. "Isso é normal, pessoas atravessam o samba em campanhas para querer aparecer. Foi um desatino, mas o episódio está superado", diz ele.

"O lançamento foi feito por filiados de bom coração e pegou mal. Falei com o Jair, e vou ajudar como mulher forte para trazer votos na disputa", disse ela, que manteve sua candidatura. Na mesma viagem, teve bem menos acesso a Bolsonaro Janaina Paschoal, que quase foi vice na chapa federal e agora disputa a Assembleia.

Para tentar dar um pouco de coesão programática, nesta semana deverão se reunir integrantes dos núcleos empresarial, de agronegócio e militar da campanha. Pelo currículo de Bolsonaro no Exército, o último é integrado por pessoas de suas estrita confiança. À frente de outros militares da reserva está o general Heleno, um respeitado quatro estrelas (topo da hierarquia).

"Faço consultoria e análise, buscando mostrar o que está errado no país. O grande problema é que, com o aparelhamento do Estado ao longo dos anos, os dados não são confiáveis. Então podemos ter uma crise maior ou menor se assumirmos. A essa altura, qualquer plano de governo é farsa."

Outro general da reserva que colabora é Aléssio Ribeiro Souza. Já o general da reserva Hamilton Mourão virou vice da chapa, mas está distante do centro decisório. Dão pitacos econômicos no programa de governo os irmãos Abraham e Arthur Weintraub, professores da Universidade Estadual Paulista notórios em sua reclusão.

Mas quem manda no setor é Paulo Guedes, o economista que aderiu a Bolsonaro após o global Luciano Huck dar sinais de que não iria em frente na corrida ao Planalto. Ele trabalha sozinho e sua interlocução é com o QG, trocando ideias eventuais com os núcleos empresarial e militar.

Os evangélicos, usualmente associados a Bolsonaro, são acessados basicamente por meio do senador Magno Malta (PR-ES). O pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus, casou o presidenciável com Michelle em 2013, mas ela mudou-se para uma denominação batista e a influência do religioso diminuiu. Essa amálgama tenta colocar Bolsonaro na Presidência. Se terá sucesso, é incerto, mas é inegável que constitui fenômeno inédito em sua desorganização até aqui.

 

TODOS OS COMENTÁRIOS (0)



Login pelo facebook
Postar
 
Artesanato
Artes de Pernambuco
artesanato
Copyright © 2018 Palmaresfest - todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Rodrigo TI
Copyright © 2018 Palmaresfest - todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Rodrigo TI